Blog

Tipos de sela adequadas para cada ocasião

Country Life
21.08.2015

Há tantos modelos de selas, como de modalidades equestres. O modelo ideal dependerá de cada gosto e da finalidade para qual será usada.

A sela é uma estrutura amarrada ao dorso do animal de montaria, onde senta o cavaleiro. É uma necessidade desde que o cavalo passou a ser usado como meio de transporte, pois o cowboy sentiu a necessidade de mais conforto.

Antes de pensar em preços, modismos ou aparência, pense se a sela será confortável tanto para o cavalo quanto para o cavaleiro ou  se permite ao cavalo liberdade de movimentos sem dor e ao cavaleiro ficar equilibrado sem esforço.

Se a sela causar desconforto ao animal, ele jamais terá o desempenho esperado, por isso é muito importante escolher a sela correta e específica para cada raça. O quarto de milha tem dorso largo e cernelha mais baixa, diferente dos mangalargas ou mestiços, por exemplo.

Confira abaixo os tipos de selas mais conhecidos:

Sela Western – A sela vaqueira americana foi projetada para ser usada em cavalos de fazenda de gado nos Estados Unidos. Pesa o dobro da inglesa, mas pode ajustar-se a quase todos os cavalos sem risco de machucá-lo. São confortáveis para percursos longos e tem espaço para todos os objetos que o vaqueiro costuma levar consigo.

Sua característica mais marcante é o pito (“chifre”) na frente da sela, originalmente usado para ajudar na condução do laço.

É muito usada nos cavalos quarto de milha em provas como Tambor e Baliza.

sela para cavalos

Sela Inglesa- Também conhecida como sela de salto, pela facilidade oferecida ao cavaleiro de sair constantemente da sela.

É a sela mais difundida no mundo. Para o observador casual, sua principal característica é a aparência mais rasa e com ausência do pito (“chifre”). Este tipo ou suas variações dominam os esportes equestres. São feitas em couro ou, atualmente, com material sintético. Têm uma armação rígida interna e são leves. Podem ser vistas inclusive nas cidades, no policiamento a cavalo.

O cavalo trabalha em arreios sob sela

O cavalo trabalha em arreios sob sela

Sela Australiana – Muito próxima da inglesa na armação interna, mas utilizada para trabalhar com o gado. Possui assento mais profundo e couro pesado. Dar aderência nos momentos de subir e descer dos morros e facilita a descida rápida.

Sela australiana

 

Sela portuguesa – É usada em várias modalidades (passeio, tourada, equitação). Confeccionada com couro suíno, possui tiras de metal que ficam ao longo da armação para dar mais elasticidade à sela.

sela portuguesa

Como escolher a melhor sela?

  1. a) Utilização: lazer, trabalho ou esporte?

Uma sela para passeio pode ser mais simples e leve, enquanto aos adeptos de romarias e desfiles preferem modelos mais ornamentados.

O trabalho com gado exige selas reforçadas, enquanto cada esporte tem sua sela própria.

  1. b) Tipo racial e conformação do cavalo:

As medidas da sela precisam corresponder à anatomia do animal.

Selas grandes ou pequenas demais causam machucados e até inutilização do cavalo, além de provocarem nele atitude rebelde, podendo fazê-lo empinar ou corcovear.

  1. c) Altura e medidas do cavaleiro:

Os bons fabricantes oferecem medidas de selas adequadas para crianças e adultos; também há variações de acordo com o peso e as medidas do usuário.

Conforto e segurança são essenciais para se  poder cavalgar com segurança.

Boas Selas:

  • Seus suadouros se apoiam uniformemente na musculatura dorsal do cavalo;
  • Os estribos são fixados numa posição que possibilita a boa colocação de perna do cavaleiro, na vertical como se ele estivesse de pé com as pernas ligeiramente flexionadas;
  • Tem os loros feitos de uma tira de couro forte e inteiriça, sem ser emendada por costuras;
  • É feita de couro resistente a estiramento excessivo ou desgaste precoce;
  • Tem as ferragens confeccionadas em metal inoxidável;
  • Suas barrigueiras ou cilhas têm espessuras e acabamento que evita assaduras no cavalo.

Partes da sela:

Partes da sela

Patilha (encosto):

A altura e inclinação também variam bastante. Se for muito inclinada, deslocará o assento para traz, se for alta e pouco inclinada ocasionará desconforto no coquis. O ideal é altura e inclinação moderada.

Assento:

O assento da sela deve tender ao dianteiro, ser fundo e confortável, o coreto é o peso do cavaleiro ser direcionado para a região dorsal, para não pressionar o lombo, onde estão localizados os rins, órgãos muito sensíveis.

Suador:

Parte inferior da sela, que apoia sobre o suador externo. O suador tem um enchimento que atua como amortecedor, podendo ser de capim, lã ou poliéster. Sem esta proteção, os atritos diretos resultam em pisaduras, que são lesões abertas que se desenvolvem ao longo da Cernelha, Dorso e/ou Lombo, sendo de difícil cicatrização. Se o cavalo é volumoso em sua região torácica, exigirá uma sela de suador mais aberto, no caso inverso, exigirá uma sela de suador mais fechado. A sela deve ser bem posicionada para não limitar os movimentos das espáduas (a partir do meio da Cernelha).

Armação:

É a estrutura da sela, podendo ser de ferro (torna a sela mais pesada, não é mais usada), de aço, de madeira (peso moderado), ou de fibra (torna a sela mais leve).
Estribos:

Serve de apoio para os pés, evitando que estes balancem com os deslocamentos do cavalo. A forma dos estribos varia, sendo ideais os estribos em forma de sino, porque não prendem os pés com a facilidade dos estribos redondos, o que seria perigoso no caso de quedas.  Proporcionam melhor apoio, principalmente se a base é larga e revestida em borracha. Uma base larga é necessária nos estribos de selas para Enduro, atividade onde há mais chances do cavaleiro perder o apoio nos estribos. Um tipo especial de estribo é o “salva-vidas”, de base móvel. O material que se utiliza para a fabricação dos estribos pode ser o aço inoxidável, metal, ferro, ou alumínio.

Loros:

São as peças de couro que sustentam os estribos, sendo presos na armação da sela através de argolas.

Barrigueira e Cilha:

A barrigueira é uma peça que passa pela barriga do cavalo, tendo a finalidade de ajustar a sela. Existem barrigueiras de couro (em alguns casos pode queimar o pelo), lã (após ser molhada se torna mais pesada), nylon (a mais recomendada, pois é leve e resistente).

A cilha é uma peça mais estreita, que passa pela região do Cilhadouro, logo atrás do Codilho.

compartilhe o post

Comente Pelo Facebook