Blog

Prova de tambor: 3 competidoras que não perdem o charme na arena

Esporte
29.07.2016

As mulheres que encantam no rodeio e levam estilo para a arena são as competidoras de prova de tambor. O esporte feminino atrai não só pelo quesito técnico e atlético, mas também pela presença das amazonas. As competidoras mostram que para domar os cavalos é preciso ser bruta, mas sem perder o estilo.

Nós conversamos com três competidoras que nos contaram um pouco sobre suas conquistas, a paixão pelos cavalos e, é claro, como mantêm o estilo.

O estilo de Gessyca Moraes – Três Tambores

A tocantinense Gessyca, 25, é estudante de Direito. Ainda criança, teve contato com os cavalos. Seus pais tinham fazenda e cultivavam esse amor antes mesmo de seu nascimento. Mas foi aos 11 anos, depois de ver um primo competir, que se interessou pelo esporte e começou a praticar. Após três meses, veio a primeira competição em Paraíso do Tocantins.

Nas provas, a competidora não perde a vaidade.“Sempre faço maquiagem, nunca deixei de lado meu jeito feminino!”. No dia a dia, veste-se normalmente, mas na arena o estilo country toma conta. Com camisa amarela e bota, se transforma. “Tenho uma bota da Nossa Senhora Aparecida. Sou devota.”

728x90-1

Gessyca monta o cavalo Thinker Boy que a surpreendeu diversas vezes. Quando muitos falam para aposentá-lo porque está velho, ele mostra que ama fazer o que faz e que ainda tem força para ser um campeão. A competidora sempre escolheu uma cor para os cavalos que comprava. A do Thinker Boy é amarela, por isso essa cor é sua marca registrada nas competições. 

Gessyca já ganhou campeonatos internacionais, tem 450 troféus e já foi finalista de Barretos 2012, campeã mundial em Perry – Geórgia EUA 2013 e vice-campeã mundial Shanghai – China 2014.

Entre as conquistas proporcionadas pelo esporte, ela também inclui carregar a tocha olímpica. “Uma emoção inexplicável, pois é uma experiência única.”

O estilo de Gabriela Vilella – Três Tambores

Gabriela. 25, é veterinária e também traz o amor pelos cavalos como herança. Incentivada desde pequena pelos pais, chegou a morar na fazenda até os 6 anos, mas foi depois dos 16 que começou a praticar Três Tambores. A vontade veio de repente, mas depois que começou, não parou mais, sempre se inspirando em outras competidoras.

728x400

No começo foi difícil, não tinha o próprio cavalo, e caía bastante, mas “o amor pelos cavalos, o ambiente das provas, a proximidade que o cavalo proporciona entre a família e os amigos” fez com que não desistisse.

Gabriela treina todos os dias.“A rotina é bem intensa, exige muita dedicação. Tenho meu haras, o Rancho Villa. Saio do meu serviço e vou direto para lá. Eu respiro cavalos”, revela. Gabriela também adora a emoção dos rodeios “eu particularmente gosto e corro mais em rodeios. Correr à noite com bastante gente assistindo e torcendo é uma “vibe” muito boa. Sem contar que é mais competitivo”.

Os cuidados estéticos na arena vão além da própria aparência, eles também se estendem aos animais.“Nós prezamos muito nossa vaidade. Arrumamos cabelo, maquiagem e as roupas mais disputadas. Sem contar equipamentos como as selas personalizadas e os acessórios do animal coloridos.” Como inspiração de estilo, Gabriela cita a competidora americana Fallon Taylor, que usa roupas bem coloridas e vibrantes, peças que não podem faltar no seu guarda-roupa.

Outra coisa que não pode faltar no guarda-roupas da competidora são as botas. Gabriela preza que, além de bonitas, devem ser confortáveis. “Eu e a maioria das competidoras usamos botas do bico quadrado com cano médio. Tem várias marcas ótimas como Goyazes, pois são confortáveis. Eu prefiro as com solado de borracha, coloridas ou bordadas”, diz.

prova de tambor - goyazes

Entre as conquistas de Gabriela estão os títulos de campeã na cidade de Matão pela ABQM categoria feminino e ficou entre as 5 em vários campeonatos da ABQM, além de ganhar rodeios como Tanabi e Nova Granada.

O estilo de Daiane Sudario – Três Tambores

Daiane, 31, estudante de Fisioterapia, compete na prova de Três Tambores há 18 anos. Desde pequena, andava a cavalo e, aos 14 anos, se interessou pelo esporte. A primeira vez que competiu mal dormiu. “Era meu sonho. Fiquei muito emocionada e vi que era mesmo o que eu queria fazer”.

Daiane treina todos os dias, três horas por dia. Ela revela que Simone Zamora foi sua inspiração. “Eu queria ir nas competições só pra assisti-la”.

Segundo ela, não tem como não se preocupar com a aparência. “A gente sempre está com o cabelo arrumado, maquiada à noite, com camisa bonita e o cavalo também, tem que estar bem traiada.” Daiane considera seu estilo básico, mas faz questão de estar bem arrumada dentro e fora das pistas.

Nos rodeios, ela aposta na calça flare e jaqueta com bota de bico fino. Já para competir não tem uma bota favorita, mas todas que compra acabam indo para a arena. “Eu compro para sair, mas quando vejo já está com espora e surrada”.

prova de tambor - silverado prova de tambor - westcountry

Depois de 18 anos competindo, Daiane ganhou vários rodeios, mas suas maiores conquistas são bi-campeã ANTT Gold, campeã ANTT Silver, bi-campeã Barretos, campeã Top Team Crystal, bi-campeã Super Horse e quatro vezes campeã do Jaguariúna Rodeo Festival.

Foto destaque: Livia Legenova

compartilhe o post

Comente Pelo Facebook